CPI da Covid ouve Luiz Paulo Dominguetti, autor da denúncia de pedido de propina

Ele diz ter recebido uma solicitação de suborno de US$ 1 por dose de vacina em troca de um contrato com Ministério da Saúde

CPI da Covid ouve nesta quinta-feira (1º), às 10h, o representante da empresa Davati Medical Supply, Luiz Paulo Dominguetti Pereira. Ele revelou ao jornal Folha de S. Paulo que recebeu pedido de propina de US$ 1 por dose de vacina em troca da assinatura de um contrato com o Ministério da Saúde.

 HÁ CONSEQUÊNCIAS JURÍDICAS PARA O SILÊNCIO DO EMPRESÁRIO CARLOS WIZARD NA CPI DA COVID?

O suborno teria sido pedido pelo ex-diretor de Logística da pasta, Roberto Ferreira Diasexonerado nesta quarta-feira (30). A compra de 400 milhões de doses da AstraZeneca pelo ministério geraria um montante ilícito de R$ 2 bilhões.

ACOMPANHE O DEPOIMENTO AO VIVO 

CONVOCAÇÃO

Além da convocação de Dominguetti, os senadores também aprovaram, na quarta-feira, o requerimento de convocação do procurador da Davati Medical Supply, Cristiano Alberto Carvalho. As informações são da Agência Senado.

 CAMILO SANTANA DEFENDE INVESTIGAÇÃO SOBRE SUSPEITAS EM COMPRA DE VACINAS PELO GOVERNO FEDERAL

O depoimento do representante estava marcado para acontecer na sexta-feira (2), mas a comissão antecipou a oitiva de Dominguetti para esta quinta-feira.

Inicialmente, quem estava programado para ser ouvido na CPI nesta manhã era o empresário Francisco Emerson Maximiano, sócio-administrador da Precisa Medicamentos, mas teve a convocação adiada, sem nova data.

 O QUE É PREVARICAÇÃO? ENTENDA O CRIME QUE A CÚPULA DA CPI ACREDITA QUE BOLSONARO COMETEU

A Precisa é responsável por um contrato com o Ministério da Saúde para aquisição da vacina indiana Covaxin, que também está sendo investigado pela comissão depois das denúncias feitas no depoimento dos irmãos Luis Miranda e Luis Ricardo Miranda.

Os requerimentos de convocação de Dominguetti foram apresentados pelos senadores Renan Calheiros (MDB-AL), Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e Humberto Costa (PT-PE).

“O depoimento de Luiz Paulo Dominguetti Pereira a esta CPI é imperioso e imprescindível para o desenrolar da fase instrutória e, obviamente, para o futuro deslinde das investigações.”

RENAN CALHEIROS

senador relator da CPI da Covid

Líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) afirmou que a AstraZeneca desmentiu ter intermediários no Brasil.

“O governo não coaduna com qualquer tipo de irregularidade e exonerou Roberto Dias para facilitar as apurações. Não queremos a politização dessa apuração.”

FERNANDO BEZERRA

líder do governo no Senado Federal

A DENÚNCIA  

À Folha de São Paulo, Luiz Paulo Dominguetti relatou que Roberto Dias indicou que as negociações só seriam concretizadas se a Davati compusesse “um grupo” no Ministério.

“Aí ele me disse que não avançava dentro do ministério se a gente não compusesse com o grupo, que existe um grupo que só trabalhava dentro do ministério. Se a gente conseguisse algo a mais tinha que majorar o valor da vacina, que a vacina teria que ter um valor diferente do que a proposta que a gente estava propondo.”

LUIZ PAULO DOMINGUETTI

ao jornal Folha de S. Paulo

Luiz Paulo afirmou que antes do encontro com Roberto Dias, ele esteve no Ministério para ofertar as vacinas e conversou com Elcio Franco, ex-secretário-executivo da Pasta. Segundo ele, a oferta foi recusada. O representante afirma que na véspera de deixar Brasília recebeu uma ligação de Roberto Dias.

RELAÇÃO COM A DAVATI  

Ao portal G1, a empresa Davati Medical Supply negou que Dominguetti seja representante do empreendimento no Brasil e admitiu que não tem convênio com a AstraZeneca. O laboratório ainda afirmou que não possui empresas privadas como representantes e que só vende imunizantes contra a Covid para governos e organismos multilaterais.

 SENADORES CEARENSES DIVERGEM SOBRE PRORROGAÇÃO DA CPI DA PANDEMIA; VEJA AS POSIÇÕES

No entanto, conforme o podcast Café da Manhã, da Folha de S. Paulo, Dominguetti é citado pelo CEO do empreendimento como um representante do laboratório. O procurador da Davati Cristiano Alberto Carvalho forneceu e-mails à reportagem do jornal com a informação, além da troca de mensagens que mostram a negociação com Ministério da Saúde.

QUEM É LUIZ PAULO DOMINGUETTI  

Luiz Paulo Dominguetti Pereira se apresentou como representante da Davati Medical Supply — que diz ser intermediária na venda da AstraZeneca — e denunciou o suposto esquema de corrupção na compra de vacinas pelo Ministério da Saúde.

Ele é cabo da Polícia Militar de Minas Gerais e atua no município de Alfenas, no Sul do estado, disse a corporação. As informações são do G1.

 SUPERPEDIDO DE IMPEACHMENT É SÓ MAIS UM; PRESSÃO POLÍTICA É O DIFERENCIAL

A atuação do policial em negociações de vacina é recente, segundo um colega de trabalho revelou ao portal de notícias. Ele não quis se identificar. Dominguetti teria tentado vender imunizantes às prefeituras mineiras.

“Conheci ele mais ou menos em fevereiro deste ano. Foi na época que o estado do Amazonas estava tendo aquele colapso da Covid”, contou à fonte ao G1.

No entanto, segundo o funcionário, nenhum contrato chegou a ser assinado.

PROCESSOS NA JUSTIÇA  

O nome do policial militar aparece em 37 processos na Justiça. Um deles é movido pelo dono do apartamento em que Dominguetti morou em Belo Horizonte, onde residiu até o fim do ano passado. Ele teria saído do imóvel sem pagar quatro meses de aluguel e ainda responde na Justiça pela dívida.

Em outro processo, uma mulher acusa o agente de segurança de ter comprado um carro financiado no nome dela. Ele não teria pagado as parcelas e ainda levou multas que estão no nome do proprietário. O veículo nunca teria sido localizado.

Depois que a denúncia veio a público, a Polícia Militar de Minas Gerais instaurou um relatório de investigação preliminar para apurar se a conduta de Dominguetti fere o código de ética e disciplina da corporação.

A instituição ainda revelou ao G1 que, ano passado, o policial atuou no gabinete militar do Governo de Minas Gerais, mas foi afastado do cargo por não se encaixar no perfil de atuação no órgão.

Fonte: https://diariodonordeste.verdesmares.com.br/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *