Irajá Pinheiro faz um relato dos 60 anos da Coluna da Hora de Limoeiro do Norte.

Na manhã de quinta feira 05, o historiador e poeta limoeirense Irajá Pinheiro participou de entrevista na tvjaguar, onde fez um relato histórico da coluna da hora, no centro da cidade de Limoeiro do Norte que em 2018 completa 60 anos da sua construção.

De acordo com Irajá Pinheiro, antes da construção da Coluna da Hora, havia na Praça Capitão João Ennes, um Obelisco, cujo monumento fora erguido em 1871, em homenagem ao cinqüentenário da Vila Limoeiro e ao intendente  João Ennes da Silva, em reconhecimento pelo brilhante serviço prestado. O historiador relembra ainda que a idéia da homenagem foi do então prefeito Custódio Saraiva de Meneses que promoveu uma grande festa.

A construção da Coluna da Hora, em substituição ao obelisco, salientou Pinheiro, ocorreu mesmo em 1958, na gestão do prefeito Sabino Roberto de Freitas, tendo sido a mesma, uma das primeiras providências do então gestor. Irajá Pinheiro aproveitou o ensejo para ressaltar que a Praça Capitão João Ennes, passou a ser um ponto de encontro da sociedade limoeirense que passou a frequentar mais o local para trocar idéias, sentados nos bancos de cimento construídos no entrono da Coluna da Hora.

Ainda em conformidade com o historiador, tanto o antigo obelisco quanto a Coluna da Hora serviram como fonte de inspiração para os poetas populares da região, com destaque os sapesistas, a exemplo do  poeta Valdir Sombra que escreveu o livro “Os poetas lá de Nós”, onde poeta enfatiza em prosa e versos, os acontecimentos no entorno da Praça Capitão João Ennes, sempre com o olhar voltado para o monumento.

O senhor Edmar, popularmente conhecido como (Moreu) também relembrou alguns momentos vividos por ele, no ágio sua juventude, quando também freqüentava à referida praça, seja nos momentos festivos como as festas de natal e ano novo, ou, ainda para um momento de prosa com amigos da época que costumavam ir ao local. Moreu relembrou ainda do em que foi dado inicio á construção da Coluna da Hora e do momento da inauguração, no final de 1958.

Fonte: blog do Nilão